A respiração lenta e precisa precedeu o aguçamento dos sentidos, o controle dos batimentos em consonância com os olhos que se ajustavam para acertar o alvo. Nesta quarta-feira, 7, aconteceu o I Torneio de Tiro Feminino na Acadepol, evento realizado em comemoração ao Dia Internacional da Mulher.

 

Participaram do evento cerca de 70 mulheres representantes das Polícia Militar e Civil, do Corpo de Bombeiros e do Departamento do Sistema Penitenciário (Desipe), ligado à Secretaria de Estado da Justiça e de Defesa ao Consumidor. Segunda a organizadora do evento, Cátia Emanuelle, da Polícia Civil, o objetivo era integrar as instituições através de uma atividade de comemoração diferenciada para a Semana da Mulher.

 

As provas consistiam cinco disparos para quatro alvos diferenciados por cor, totalizando a possibilidade de obter 100 pontos no total. O torneio foi dividido em duas categorias, uma para as Policiais e Bombeiras Militares e uma para as Policiais Civis e Agentes Prisionais e um primeiro lugar geral, para a competidora que pontuar mais entre todas as participantes. O troféu homenageia a Delegada Ana Paula Moreira, que faleceu recentemente por conta de problemas de saúde.

 

“Esse evento foi pensado para que a gente pudesse praticar o tiro, já que a arma é um equipamento de proteção individual, tanto para a policial quanto para quem proteção da sociedade […], então foi uma maneira lúdica e divertida de comemorar o Dia da Mulher”, afirmou Cátia.

 A Sargento Gilvânia, da Polícia Militar, afirma que o torneio serviu como treinamento para que as operadoras da Segurança Pública pudessem estar melhor preparadas para a lida com o trabalho cotidiano. “Só estar aqui e participar já é um ganho”, reiterou.

 

Atentando para o fator união, a Agente Prisional Edlamar Sousa afirma que atividades como essa incentivam as mulheres a participarem mais e se integrar melhor a suas respectivas instituições. “Essa coisa de mulher ser símbolo de fragilidade, há muito tempo tá acabado. […] Além de ser mãe, mulher, nós somos fortes, somos guerreiras e queremos uma sociedade mais justa e solidária”

 

A agente do Grupo Especial de Repressão e Busca (Gerb) da Polícia Civil, Laís Costa, conta que as mulheres ficaram muito empolgadas com o evento, que é uma oportunidade de reencontrar amigos e amigas que estão lotadas em outras unidades. “Esse torneio vem para festejar o Dia da Mulher e, ao mesmo tempo, homenagear a nossa colega Ana Paula.”

 

A Major Carla, do Corpo de Bombeiros, afirma que o principal ponto que ela observou foi a integração entre as instituições, que podem se encontrar e interagir durante o evento, o que aumenta a qualidade das relações interpessoais e trabalhos eventuais que possam ocorrer. “Para nós mulheres, mostra a nossa capacidade de desenvolver atividades que antes eram destinadas exclusivamente aos homens”, finalizou.