A Academia de Polícia Civil de Sergipe iniciou na manhã de ontem, 03, mais uma edição do curso de Sobrevivência Policial. O curso visa a capacitar o policial para que seja tecnicamente capaz de dar respostas eficientes e eficazes, quando envolvidos em situações de violência urbana, em seus momentos de folga, quando se encontram em condições de maior vulnerabilidade.

A primeira turma do Curso de Sobrevivência Policial, que capacitou os instrutores multiplicadores desta matéria na Acadepol, foi formada em agosto de 2017, pelos instrutores da empresa TESP, de Brasília, numa parceria entre o Sindicato dos Policiais Civis (Sinpol) e Secretaria de Segurança Pública. Desde então, foram realizadas quatro edições do curso, que, somadas a esta, totalizam 160 operadores de segurança que tiveram a possibilidade de ter contato com esse conhecimento.

A Academia de Polícia Civil de Sergipe iniciou na manhã de ontem, 03, mais uma edição do curso de Sobrevivência Policial. O curso visa a capacitar o policial para que seja tecnicamente capaz de dar respostas eficientes e eficazes, quando envolvidos em situações de violência urbana, em seus momentos de folga, quando se encontram em condições de maior vulnerabilidade.

A primeira turma do Curso de Sobrevivência Policial, que capacitou os instrutores multiplicadores desta matéria na Acadepol, foi formada em agosto de 2017, pelos instrutores da empresa TESP, de Brasília, numa parceria entre o Sindicato dos Policiais Civis (Sinpol) e Secretaria de Segurança Pública. Desde então, foram realizadas quatro edições do curso, que, somadas a esta, totalizam 160 operadores de segurança que tiveram a possibilidade de ter contato com esse conhecimento.

A abordagem do curso abrange aula expositiva, que consiste na palestra inicial, com ênfase no comportamento preventivo, através da análise de situações reais de violência urbana das quais policiais foram vítimas, seguida de aulas práticas, no estande de tiro e tatame, em que são apresentadas e massificadas as técnicas de combate, caso a prevenção seja quebrada e o policial se encontre inserido numa situação em que precise reagir. A capacitação conta ainda com a realização de oficinas e exercícios simulados. Com carga-horária de 24 horas, o curso segue até a sexta-feira, 05, devendo ser concluído por volta das 20h.

Para o delegado João Batista Santos Júnior, diretor da Acadepol, um dos diferenciais deste curso é o foco. “Não obstante a relevância dos treinamentos policiais que visam a treinar o policial para executar com maestria suas atividades profissionais, garantindo segurança à sociedade, as instituições não podem esquecer do policial enquanto indivíduo que também necessita de segurança e precisa estar apto para se defender e manter-se vivo. Num cenário nacional cuja cifra de mortes de policiais, vítimas de violência urbana, vem crescendo veementemente, treinamentos desse tipo, com foco na postura, atitude e comportamento do indivíduo que, em decorrência de sua profissão, porta uma arma de fogo mesmo em seus momentos de folga, ou ainda uma identificação funcional que o torna mais vulnerável que cidadãos não policiais, tornam-se imprescindíveis.”

A 6ª edição do curso, que também terá como público-alvo policiais civis de Sergipe, está prevista para o mês de agosto, e o edital deve ser publicado nas próximas semanas.